Democratização da Mídia!

ANARQUISMO MIDIÁTICO OU REVOLUÇÃO?

Apesar de inúmeras movimentações em Tefé, seja polícia federal, militar ou civil, não compreendo quanta corrupção pode anestesiar a população, a ponto de ficarem somente paralisados ou mortos diante de tanta confusão e demonstração de inresponsabilidade administrativa, seja municipal, estadual ou do governo.

Estamos em um tempo que mais uma vez, que não sabemos o destino certo do município de Tefé, exemplo já previsto pelos tefeenses são os imensos investimentos que estão ou estariam por vir, esta incerteza ou certeza traz consigo a cobiça de quem saiu ou está atualmente no poder, não sejamos tão omissos ao ponto de ver acontecer e não fazer nada, e você me perguntaria: - o que fazer? Responderia: - Qualquer tefeense tem celular, camera fotográfica digital ou de negativo, webcam no seu computador, gravadores de voz, algum desses conhecemos ou temos acesso, até mesmo a internet.

2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos na Ditadura

2000 Waimiri-Atroari Desaparecidos na Ditadura
É justo e necessário o país se mobilizar pelos desaparecidos políticos da Ditadura Militar no Brasil (1964-1984). Entretanto, por que não há o mesmo interesse na busca dos índios desaparecidos durante a Ditadura Militar por se oporem a política do governo sobre seus territórios?

Em 1968, o Governo Militar invadiu com a rodovia BR-174, Manaus – Boa-Vista, o território Kiña (Waimiri-Atroari). Em 1975, pelo menos 2000 pessoas já haviam desaparecido, todos pertencentes ao povo Kiña. Isso porque se opunham ao processo de invasão de seu território imposto pelos Militares.

O massacre ocorreu em etapas. Na primeira delas quem esteve a frente da construção da rodovia foi o Departamento de Estradas e Rodagem / Amazonas (DER/AM). Os relatórios mensais dos trabalhos sempre se faziam acompanhar com pedidos de armas e munição como este:

Epidemia de Dengue afeta Tefé

Desde o inicio do ano, o município de Tefé vem sofrendo com o grande número de casos de dengue. Até o presente momento a Secretaria Municipal de Saúde de Tefé não sabe informar ao certo o número de casos já registrados, a secretaria do Estado já confirmou mais de quatro mil casos em todo o Amazonas.

A imagina-se que o número real de casos seja bem maior dos que estão sendo indicados oficialmente, pois diante da precariedade do sistema estadual e municipal de saúde muitas pessoas optam por fazer o tratamento em seus próprios domicílios.
Para piorar a situação em Tefé, no final do ano passado a cidade passou por uma eleição suplementar. O novo Prefeito que já assumiu ao cargo demitiu agentes de endemias e agentes comunitários de saúde que atuavam no combate à proliferação do mosquito aedes eagypti, transmissor da doença.

Somente após a epidemia ganhar repercussão nacional, governo e município começaram a realizar mutirões de limpeza na cidade e campanhas de educação para combater o mosquito transmissor da doença.

A riqueza vai trazer pobreza

A riqueza vai trazer pobreza Vocês já ouviram falar que de onde se tira e não se põe acaba? Não! Leiam e reflitam sobre o que está acontecendo com as madeiras das nossas florestas…

Diariamente descem balsadas e balsadas de madeira vindos do Alto Solimoes com destino sei-lá para onde. O interessante é: será que a madeira vai legalizada? E mesmo que vá, será que quem está vendendo, não vai sentir falta quando quiser fazer sua barraca, canoa ou até mesmo para sua ganha-pão? Amigos, abrem os olhos e não entreguem, pelo amor de Deus, as madeiras que estão em suas terras para essa catrafada de pessoas, que lhe oferecem merrecos e pequenos favores. Sabem por quê? Eles vão deixar vocês e nós na miséria, com fome e sem nada. Eles estão destruindo a natureza! É uma covardia de fazer isso com as florestas, e com vocês.

Pensem nos filhos de vocês. Eles vão precisar de tudo que vocês estão dando para quem não precisa. Deus deu a natureza para o homem viver, e não vendê-la. O pior é que vocês nem a vendem, vocês dão. Não façam isso!

Por que a mídia privada não consegue ver o FSM?

Por que a mídia privada não consegue ver o FSM?
Mais uma vez a mídia privada não consegue ver o FSM. Os leitores que dependerem dela ficarão sem saber o que acontece aqui em Belém. Por que? O que impede uma boa cobertura, se a riqueza de idéias, a diversidade de presenças, a força dos intercâmbios – como não se encontra em lugar algum do globo – estão todos aqui? Há jornalistas, algum espaço é dedicado pela imprensa ao evento, mas o fundamental passa despercebido.

O fundamental não tem preço – diz um dos lemas melhores do FSM. Enquanto o neoliberalismo e o seu reino do mercado tentam fazer com que tudo tenha preço, tudo se venda, tudo se compre, ao estilo shoping-center, o FSM se opôs desde o seu começo a isso, opondo os direitos de todos ao privilégio de quem tem poder de compra, incrementando sempre mais as desigualdades.

Um jornalista da FSP (Força Serra Presidente) se orgulha de ter ido a todos os Foros de Davos e, consequentemente, a nenhum Forum Social Mundial. A espetacular marcha de abertura do FSM retratada com belíssimas fotos por Carta Maior, foi inviabilizada pela mídia mercantil.

Comunicação ribeirinha

Comunicação ribeirinha
Na Amazônia as informações chegam nas mas variadas formas. Nos barcos depois de dias de viagens até em mensagens instantâneas. E isso já é possível, o caboclo não precisa ficar horas a fio no meio do rio, esperando o barco passar e pegar a informação por meio de encomenda (um pacote contendo cartas, bilhetes, dinheiro e mercadorias da cidade) e às vezes é apenas um recado de boca gritado lá da beira do barco:

- “Seu Zé mandou dizer que só vai mandar encomenda na outra semana”. Coisas desses tipo, que a internet não consegue retirar do dia a dia do cotidiano ribeirinho, mas os meios de comunicação podem sofrer transformações em diversas escalas e a cultura dos recados não deixará de existir pelo menos aqui nesse universo ribeirinho. A comunicação popular é a essência da cultura de um povo. As diferenças territoriais em nada nos impede de absorver formas de comunicação mais rápida como a telefonia celular, e-mails, etc,. Só precisamos saber se o que foi desenhado, falado, escrito, enviado foi entendido pelo receptor. Transformando isso tudo em comunicação.

Comunicar é isso!!

SEDE AO POTE DO PODER

Depois de uma ordem do Juiz, hoje Tefé tem novas eleições para prefeito, e o que se vê é a ilusão de transformação social de palanque eleitoreiro. Enquanto isso, pessoas novamente são demitidas, atividade que ainda funcionava não funcionam mais, e o dinheiro publico indo pro ralo de conquista de voto, alugam-se carros de som, catraias, motoqueiros e outros em prol de assistencia moral politica, incentivando povo ir as urnas e escolher o candidato menos ruim.

O povo ficou indeciso, colocar na mão de quem a prefeitura?

- Quem me ajudou na botija de casa na ultima eleição?
- Em fulano que me deu passagens de barco?
- Naquele que a gente conhece mas não dá credito?
- Nesse que tem ajuda daquele que não ajudava antes?
- Será naquele que está me pagando hoje e amanhã não sei?
- Acho que é nesse que sempre mmorou perto mas nunca veio em casa!
-.......etc......

Este dilema, não tem fim..... e voto na minha opinião se resolvesse nossos problemas, era proibido e censurado.

ps: VOTE NULO

Bispo recusa homenagem do congresso em protesto contra aumento de 62% dos parlamentares

O maior exemplo de dignidade de 2010
Bispo recusa homenagem do Senado por causa do aumento do salário dos parlamentares

Dom Manuel Edmilson da Cruz é bispo de Limoeiro do Norte, no Ceará. Ele seria um dos agraciado com a comenda de direitos humanos Dom Helder Câmara. Chegou a receber o diploma, mas depois recusou.

ATÉ QUANDO RACIONAMENTO 2 OU 3 VEZES AO DIA COM 2 HORAS DE DURAÇÃO OU MAIS!

ATÉ QUANDO RACIONAMENTO 2 OU 3 VEZES AO DIA COM 2 HORAS DE DURAÇÃO OU MAIS!
Não é de hoje que o poder público não tem vergonha na cara, e deixa a população em estado de escravidão da termoelétrica local, mal chega o natal e começa as horríveis interrupções elétricas.

Não se pode fazer qualquer movimentação a noite, sem antes perguntar se vai faltar energia e que horas. Não parece ser algo como problema para quem está no poder, pois podem prometer motor de luz para as comunidades numerosas neste Médio Solimões. A foto retrata bem as alternativas de luz, e levando a crer que a falta de energia será por mais 1 século.

Atrapalham aulas noturnas das escolas, hospitais ficam com medicamentos estragados, pacientes que dependem de equipamentos sofrem com os apagões na hora da consulta, servidores públicos vão para casa mais cedo por conta de falta de energia, além de uma série de atividades, trabalhos ou iniciativas que não acontecem por conta da inresponsabilidade da termoelétrica de Tefé.

Trabalhos desenvolvidos na UEA de Tefé viram artigos de Livro

Trabalhos desenvolvidos na UEA de Tefé viram artigos de Livro

O ex-aluno do Centro de Estudos Superiores de Tefé da Universidade do Estado do Amazonas (CEST/UEA), Pedro Pontes de Paula Júnior, que desenvolveu seu projeto de pesquisa sobre “Laboratório de Comunicação Livre” no CEST, teve seu artigo publicado no livro “Submidialogia: Idéias Perigozas”, de Fabiane Borges.

Com o tema “O Centro de Mídia Independente de Tefé: mídias livres na educação e na organização coletiva”, o artigo trata da combinação de atividades de ensino, pesquisa, extensão universitária e voluntariado juvenil para a valorização e emergência de grupos culturais segregados e a promoção do diálogo intercultural.

TSE cassa Sidônio prefeito de Tefé

A cassação foi julgada, primeiramente, pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), para quem o político estaria exercendo o quarto mandato consecutivo. Prefeito de Alvarães nas gestões 1996-2000 e 2000-2004, Sidônio se afastou do cargo, ao final do segundo mandato, para concorrer à prefeitura do município vizinho de Tefé, cargo para o qual foi eleito em 2004 e reeleito em 2008. Ao se pronunciar sobre a situação, o TRE amazonense determinou a cassação e a realização de novas eleições no município. O prefeito recorreu ao TSE, mas, a maioria dos ministros seguiu o voto do relator, ministro Marcelo Ribeiro, negando o recurso e confirmando a cassação de seu mandato. Na sessão de hoje, foi apresentado o voto-vista do ministro Arnaldo Versiani. Ele considerou que Sidônio é “prefeito itinerante,” por ter sido eleito em município vizinho. Ele lembrou o entendimento do TSE, no sentido de que “só é possível uma reeleição subseqüente para o cargo de prefeito, mesmo sendo em municípios diversos”.

Vídeo reflete sobre o direito a comunicação no Brasil

Numa linguagem inspirada no filme de Jorge Furtado, diretor do documentário "Ilha das Flores", o vídeo Levante sua Voz compara a regulação da comunicação no Brasil com a lei da selva, onde os mais fortes ditam as regras.

O curta traz uma breve história da concentração dos meios de comunicação no Brasil, com os nomes dos principais atores do cenário, e um panorama sobre a dificuldade de se ter uma comunicação mais democrática no país.

Na história, a personagem central representa telespectadores que encontram barreiras para conseguir se fazerem ouvidas frente ao monopólio dos grandes grupos empresariais de mídia. Assim, registra-se a dificuldade que existe no Brasil no cumprimento de normas constitucionais que garantem um cenário mais democrático. A linguagem escolhida para o vídeo foi a mesma do curta “A Ilha de Flores”, devido à simplicidade com que o diretor Jorge Furtado tenta expor características de uma sociedade capitalista. “Fizemos esta opção porque queríamos falar de maneira leve sobre um tema pesado, com pontos polêmicos e difíceis”, explica Pedro Ekman, integrante do coletivo e roteirista do vídeo.

Os transtornos provocados pelas barragens

A cada tópico, um “causo” diferente, como dizem os mais antigos. Assim é a fala do professor Roberto Naime, que busca na vasta experiência profissional pequenos exemplos para ilustrar suas explicações. Um profissional que não despreza a teoria, mas opta sempre pela praticidade. Na tarde de ontem, ele participou do IHU Ideias sobre os impactos socioambientais das hidrelétricas: uma visão local e nacional. Roberto Naime é professor no Programa de pós-graduação em Qualidade Ambiental na Feevale.

Nascido em Santa Maria, na Região Central do Estado, Naime começou contextualizando o conceito de bacia hidrográfica. Sistema ecológico com recursos interligados e interdependentes, as bacias passaram a ser guiadas por organizações hierarquizadas. “O plantador de arroz que tem dinheiro tira, tranquilamente, água do rio. Quem é pobre pode ficar com a canequinha vazia em casa”, afirmou o professor, filho de imigrantes libaneses.

OEA pode recomendar a suspensão de Belo Monte

Entidades enviaram hoje (11) documento que denuncia violações a tratados internacionais no projeto e ameaças a comunidades indígenas e ribeirinhas do rio Xingu; OEA exigirá explicações do Estado e pode solicitar impedimento das obras

A Organização dos Estados Americanos (OEA) recebeu hoje (quinta-feira, 11) um documento que denuncia as ilegalidades no processo de licitação e os impactos às comunidades indígenas e ribeirinhas que serão atingidas pela construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Assinada pelo Movimento Xingu Vivo Para Sempre e por outras organizações representantes das comunidades – Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), Prelazia do Xingu, Sociedade Paraense de Direitos Humanos (SDDH), Justiça Global e Associação Interamericana de Defesa do Ambiente (AIDA) –, e elaborada com a participação de mais de vinte organizações e movimentos sociais apoiadores, a petição solicita em caráter de urgência a concessão de medidas cautelares* para a suspensão do processo de licenciamento ambiental do projeto.

SECA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - A MÃE NATUREZA QUE SE IMPÕE

SECA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - A MÃE NATUREZA QUE SE IMPÕE
Já estamos no mês de novembro, e nada se observa a não ser o aumento da seca, nesses dias as chuvas começaram e não há qualquer alteração do nível do rio Solimões e Lago de Tefé.

Acreditamos que isso é devido ao Aquecimento Global, pois as indústrias existentes no mundo estão sempre contribuíndo para que cada vez mais as secas aumentem e as cheias diminuam, outro fator importante, são as construções e minerações no estado do Amazonas que acabam com qualquer nascente de rio que possa existir em um nincho ecológico, terras com mata nativa, apropriação forçada de sítios detentores de nascente de lagos e igarapés, que poderia ajudar na enchente pelos afluentes.

Como reflexo disso esta grande seca que já supera a de 2005, que deixou a mostra o fundo dos rios por pouco tempo, e dessa vez já são meses em estado crítico, as embarcações das mais divesas encontram problemas para se aproximar do porto do município de Tefé, os comerciantes locais andam com sua grande exploração capitalista superfaturando os preço de seus produtos, obtendo lucro abusivo e como sempre se aproveitando de uma crise para enriquecer seus bolsos e cofres.

Desrespeito ao ciclista faz vítima em Tefé

A cidade de Tefé localiza-se no interior do estado do Amazonas, distante da capital Manaus 516km em linha reta e 633km por via fluvial. Circulam no pequeno perímetro urbano da cidade mais de cinco mil veículos, dos quais em média 90% são de motos. Tal característica torna o transito local caótico e perigoso.

São bastante comuns os casos de acidentes, principalmente envolvendo pedestres e ciclistas. Estes desrespeitados pela ocupação ilegal das calçadas por parte de comerciantes e pela ausência de ciclovias.

Frigoríficos de Tefé estão com dificuldade para escoar produção


Foto: Sérgio Luiz

Matéria: Pedro Pontes

Embora o nível do Rio Solimões já esteja subindo em cidades como Iquitos (Peru) e Tabatinga (AM), o mesmo ainda não tem acontecido na região do Médio Solimões. O nível do Lago de Tefé onde está localizada a sede do município tem baixado bastante nas ultimas semanas. Atualmente não é mais possível atracar na cidade embarcações de maior calado, recreios e barcos de pesca tem atracado no local onde será o futuro porto da cidade, na estrada da Emade.Bastante longe da cidade.

Ausência de pluralismo: a falta de um jornal popular

Décadas atrás, o escritor Monteiro Lobato, aflito com a incultura e particularmente com contingente de iletrados, solicitou aos donos de "O Estado de S.Paulo" que o jornal fosse utilizado na luta para vencer o vergonhoso quadro de milhões e milhões de analfabetos no país. Após muito pensar, um dos proprietários respondeu ao criador do Sítio do Pica-pau Amarelo, provavelmente com o mesmo tom com que hoje condenam o voto dos pobres a uma espécie de sub-voto: “Ô Lobato, mas se todo mundo aprender a ler...quem é que vai pegar no cabo da enxada”. A proposta de Monteiro Lobato foi recusada. O pluralismo da psicanalista Kehl, condenado. O artigo é de Beto Almeida.

Beto Almeida (*)

A demissão da psicanalista Maria Rita Kehl do corpo de colaboradores do Jornal “O Estado de São Paulo” reacende a incontornável discussão sobre a ausência de pluralismo na imprensa brasileira de grande circulação, em clara ofensa ao disposto no capítulo da Comunicação Social da Constituição Federal. Kehl afirma ter sido demitida por “delito de opinião” após ter escrito artigo em que denuncia o esforço de desqualificação dos votos das camadas mais pobres da população.

A espetacularização da mídia no drama dos mineiros no Chile

Por Christina Lima

Quando o primeiro operário emergiu da mina em que estava preso com mais 32 colegas no deserto do Atacama, no Norte do Chile, dando um desfecho feliz a um drama que já durava 70 dias, cerca de 1.500 jornalistas internacionais esperavam ansiosamente pelo registro do momento que mobilizou a atenção de todo o mundo. Esse circo midiático alimentou de informações, durante vários dias, uma audiência global estimada em um bilhão de pessoas que acompanharam, em tempo real, o drama pela TV e pela internet.

Nessa, que foi uma das mais espetaculares operações de salvamento já documentadas, repórteres, políticos e até marcas representaram seus papeis diante das câmeras e tiveram seus desempenhos comentados pelas redes sociais: a expectativa e esperança dos internautas eram explicitadas e multiplicadas via Twitter e Facebook.

SECA COMEÇA A PREJUDICAR A ALIMENTAÇÃO LOCAL

SECA COMEÇA A PREJUDICAR A ALIMENTAÇÃO LOCAL
Já estamos no dia 12 de outubro e nada do famoso repiquete, quando começar a encher até certo ponto e seca de novo, marcando o início da cheia dos rios, ao longe percebam a imensa distância em que está ficando os flutuantes de moradores e compradores de peixe. Nisso vão aparecendo praias no meio do rio criando divisórias que só barcos pequenos, voadeiras ou canoas podem navegar livremente. Há avisos de muitos pontos de venda alimentação que o estoque está escasso, e falta já alimentos na cesta básica do tefeense, não se sabe até onde ainda vai haver mantimentos e a pesca tem sido intensa em todas as direções, é o único meio garantido em que famílias inteiras não fiquem com dificuldades de alimentos.

PROBLEMAS SOCIAIS SÓ SE RESOLVEM COM MOVIMENTOS SOCIAIS

Antes de mais nada, uma reflexão sobre como nós somos em nossa cidade, os comportamentos, as atitudes, as reivindicações e resultados de articulação, é basicamente o termômetro de tudo aquilo que vivemos, e o cultivamos no dia-a-dia.

Sempre lutamos por melhoria de vida, isso é fato, mas o comodismo em algumas causas podem nos decrever de que somos ainda cegos diante a tantos problemas sociais de natureza humana e ambiental, não conseguimos atingir toda uma maioria quando existe apenas uma problemática, as vezes ficamos de mão atadas por conta de comprometimento empregatício, outras não denunciamos porque não se quer um envolvimento, o seu tempo se torna mais valioso do que sua vida naquele ambiente. O relógio tem sido um grande culpado nas questões problemáticas deste município, e as coisas no Brasil andam lentas quando são pra resolvê-las, e se tratando de um povo milenar da Amazônia, tende-se ser ainda mais lentas pelo índice baixo de questões ainda não vistas, ou seja, quando descobrimos já é tarde e pra resolver temos que esperar sempre alguma coisa.

Nível do Rio Amazonas volta a diminuir em Iquitos no Peru

As informações são do Dhn (La Dirección de Hidrografía y Navegación de la Marina de Guerra del Perú). No inicio do mês de Setembro a própria instituição peruana mostrava uma pequena subida no nível do rio, a situação começou a mudar a partir do inicio deste mês (outubro).

Pela sua posição geografia a cidade de Iquitos (Peru), é de extrema importância quando o assunto é o nível do rio, ou seja, se os dados indicam uma queda no nível da água, essa respectivamente acontecerá nos demais rios da Bacia Amazônia. Nesse sentido já podemos espera para próximas semanas uma pequena queda no nível do Rio Solimões e seus Afluentes.

ATAQUE A BIODIVERSIDADE - DEVEMOS TER CUIDADO!

ATAQUE A BIODIVERSIDADE - DEVEMOS TER CUIDADO!

Ilhas Feroe: Operação secreta da Sea Shepherd expõe massacre em massa de cetáceos
Fonte: SEA SHEPARD - Assista o vídeo no final

No dia 19 de Julho de 2010 um grupo de 236 baleias-piloto foram assassinadas sem piedade na cidade de Klaksvik, nas Ilhas Feroe, uma nação constituinte do Reino da Dinamarca. A Sea Shepherd conseguiu documentar o massacre através dos esforços de um ativista que viveu entre os moradores locais disfarçado para conseguir as imagens do massacre, chamado pelos locais de “a trituração”, que envolve encurralar grupos de cetáceos em uma enseada e cortar a coluna vertebral dos animais com uma faca.

Peter Hammarstedt, o agente secreto da Sea Shepherd e primeiro oficial do navio Bob Barker da Sea Shepherd, estava vivendo clandestinamente entre os ferozes moradores locais por mais de uma semana, quando ouviu pelo rádio informações sobre o massacre acontecendo em Klaksvik. Imediatamente ele foi de carro para o local do crime. Sem condições nenhuma de impedir o massacre, Hammarstedt documentou o sanguinolento processo.

Por que somos totalmente legitimos no direito de usarmos os meios de comunicação?

Embasados naquilo que nos temos como constituição federal na qual nela nos apoiamos para termos o âmbito legal no direito de transmitirmos ou nos comunicarmos seja ele por meios radiofônicos, informativos populares, informativos digitais (Sites), rádio virtuais, rádio-portes, rádios livres, rádios comunitárias ou quaisquer outros meios de comunicação seja ele impresso, escrito ou falado. O pacto de San José da Costa Rica no Artigo 13 nos incisos I e III, fala da seguinte maneira “1. Toda pessoa tem o direito à liberdade de pensamento e de expressão. Esse direito inclui a liberdade de procurar, receber e difundir informação e idéias de qualquer natureza, sem considerações de fronteiras, verbalmente ou por escrito, ou em forma impressa ou artística, ou por qualquer meio de sua escolha. ’’ e “3. Não se pode restringir o direito de expressão por vias e meios indiretos, tais como abuso de controles oficiais ou particulares de papel de imprensa, de Freqüências radioelétricas ou de equipamentos e aparelhos usados na difusão de informação, nem por quaisquer outros meios destinados a obstar a comunicação e a circulação de idéias e opiniões. ”.

A Apologia das Rádios livres Tefeenses podemos Transmitir SIM, diga NÂO a repreensão comercial

Apologia significa propriamente e literalmente defesa, então esse artigo vem em defesa das Rádios livres Tefeense. Mais uma vez venho embasado para defende esse movimento com a constituição federal a começar pelo:
Art. 1º - A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

As rádios livres e comunitárias, não tem desrespeitado a ninguém pelo contrario, somos totalmente ligados a sociedade em um todo trabalhando em prol da comunidade dos comunitários e do município, resgatando a dignidade de muitos jovens que muita das vezes são excluídos pela sociedade, os valores sociais e cunho trabalhista e valorizado e incentivado pelos programadores e pelo coletivos de ambas as rádios livres seja ela Xibé ou Voz da Ilha.
Art. 3º - incisos I, III e IV.
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

Divulgar conteúdo