Democratização da Mídia!

1. A LEI É CEGA + 2. O MITO DO ESPECTRO

1. Existe uma lei, criada em 1998, que se propõe a regulamentar as atividades de rádios comunitárias no Brasil. Apresentando antes restrições que facilidades, ela permite a existência dessas rádios, desde que com alcance de no máximo 25 watts, e só podendo ser uma rádio por comunidade. Em outras palavras essa lei dificulta, restringe, tudo o que não deveria fazer. Ser uma Rádio livre é justamente não aceitar essas condições. O artigo 223 da Constituição assegura a existência de três eixos complementares na mídia: o estatal, o privado e o público. Mas na prática só os dois primeiros se concretizam.

2. A idéia de que o espectro é pequeno e não comporta um número ilimitado de rádios e de que um transmissor pode derrubar um avião, por causa da interferência nas freqüências nas transmissões dos aeroportos, é um mito que a grande mídia criou. Logicamente o espectro é limitado, e é possível que interferências possam derrubar aviões, mas a freqüência usada por aeronaves é superior à freqüência usada pelas emissores de rádio. Além disso, não existe sequer um caso registrado no planeta de algum acidente relacionando rádios livres e quedas de aviões. Enfim, vamos libertar as rádios livres.

Rádios comunitárias: até quando marginais?

Artigo original no Observatório do Direito à Comunicação

João Brant - Observatório do Direito à Comunicação
19.04.2007

A pressão popular contra o fechamento da Rádio Heliópolis pela Polícia Federal em 20 de julho do ano passado deflagrou um processo que estava embaraçado há anos. Até hoje, as rádios comunitárias estiveram ilegais em São Paulo não por opção própria ou negligência, mas pela ausência de qualquer outra opção. Desde 1998, quando a lei 9.612 regulamentou o funcionamento das rádios comunitárias, o município de São Paulo esperava por um aviso de habilitação do Ministério das Comunicações, documento oficial que convoca as entidades interessadas em obter autorização para este tipo de serviço em determinado município. Sem isso, não havia como se legalizar. Em 7 de dezembro de 2006, mais de oito anos depois da promulgação da lei, o aviso para o município de São Paulo foi finalmente publicado. O que parecia ser o fim de uma história mostrou-se apenas um longo primeiro capítulo. O aviso de habilitação já deu início a outro, que prenuncia ser tão complicado quanto o primeiro, e mostra como a regulamentação das rádios comunitárias é feita de modo a inviabilizar a sua existência.

Manaus vai sediar quarto Encontro de Software Livre

Retirado do site da FAPEAM: leia o texto original

Será realizado em Manaus, nos dias 25 e 26 de maio, o 4º Encontro de Software Livre do Amazonas, que tem por objetivo proporcionar aos participantes um espaço de discussão e divulgação do uso de software livre nos mais diversos segmentos da sociedade, bem como aprofundar o debate sobre a produção e o uso do software livre. O evento será realizado no Studio 5 Centro de Convenções. Estão confirmadas as presenças de palestrantes de renome nacional e internacional, como Marcus Mazoni, Sérgio Branco, Sandro Melo e John “Maddog” Hall.

O Encontro de Software Livre do Amazonas (Eslam) é o maior evento de software livre da região Norte do Brasil. De acordo com Marcelo Ferreira, presidente da comissão organizadora do evento, as edições anteriores revelam que o evento contribui para uma contínua melhoria nas discussões e no aprofundamento acerca do debate sobre software livre, inclusão digital e seus desdobramentos. “Isso tem acontecido por que o Eslam se tornou um espaço aberto e democrático, onde os diversos setores da sociedade interessados em software livre procuram participar do evento. Além disso, as empresas têm um espaço para divulgação de seus produtos e serviços baseados em software livre, fazendo com que o público interessado possa ter acesso a essas empresas de maneira facilitada”, afirma Marcelo.

"Desenvolvimento Sustentável"

Este texto que disponibilizo agora para os usuários e visitantes deste sítio, põe em discussão o verdadeiro significado das palavras "desenvolvimento" e "sustentável", muito usadas nesses últimos anos, porém só no campo dos discursos.

Armando Rodrigues Coelho Neto

Quase diariamente a Polícia Federal cumpre determinações de fechamento de rádios livres e comunitárias. Embora uma lei de 1998, (a 9.612) regule o funcionamento de tais emissoras, o governo faz uso do Código Brasileiro de Comunicações, de 1962 (lei 4.117) para fechá-las.

Como essas rádios representavam uma forma de resistência contra o regime militar, em 1967 um decreto do governo acrescentou ao Código o artigo 70, determinando a prisão de quem operasse uma emissora de rádio sem autorização oficial. Então, a lei que criminaliza a atividade acaba anulando a de 1998.

Em 2005, 1200 rádios livres e comunitárias foram fechadas só no primeiro semestre, totalizando 2400 no ano todo. Em 2006 foram 800. A vitoriosa rádio Heliópolis, instalada na favela de mesmo nome, foi fechada pelo Ministério das Comunicações no dia 20 de julho de 2006, em meio a protestos, depois de funcionar por 14 anos com audiência de mais de 120 mil pessoas.

A Inautenticidade dos Meios de Comunicação

A CONTRADIÇÃO ESSENCIAL ENTRE EMISSOR E RECEPTOR.

UM REFLEXO DA DIVISÃO SOCIAL

A sua própria força imobilizadora é o segredo mais patentes dos meios de comunicação eletrônicos, o momento decisivo que até hoje, suprimido ou disfigurado, está esperando a sua vez.

Quando falo em mobilizar sei do que estou falando. Num país que sofreu no seu próprio corpo o facismo (e também o stanilismo), talvez seja necessário explicarainda, ou de novo, o que isto significa: fazer com que as pessoas sejam mais móveis do que são e livres como dançarinos, mentalmente ágeis como jogadores de futebol, surpreendentes como guerrilheiros. uem considerar as massas só como objeto de política, não logrará mobilizá-las; só quer manejá-las. Um pacote, por exemplo, não é móvel, é somente jogado de um lugar para outro. A propaganda que, ao invés de liberar a autonomia, a paralisa, segue o mesmo esquema. Conduz a despolitização.

Gilvam Borges, o “marechal eletrônico” da mídia no Amapá

A imprensa do Amapá nunca foi dada a falar de si mesma. Mas a escandalosa expansão do Sistema Beija Flor de Rádio Difusão, da família do senador Gilvam Borges (PMDB), começa a ser denunciada em veículos alternativos. Seu clã quer dominar nada menos que 152 emissoras de rádio e TV, distribuídas em quatro estados do Norte e do Nordeste.

Setores da sociedade se ocupam em criticar o caráter conservador da imprensa tradicional e a tentativa de dominação ideológica através do pedido de concessão pública. Os protestos são contra o monopólio da mídia amapaense, exercido por um grupo bastante restrito de famílias e partidos políticos.

Já condecorado por alguns jornalistas amapaenses como “marechal eletrônico”, Gilvam desperta indignação, sobretudo dos movimentos ligados às radio comunitárias. O senador — que já domina o sistema de rádio difusão na capital, Macapá — tem se esforçado para monopolizar também as regiões ribeirinhas do estado e do vizinho Pará, criando uma cadeia de rádios comunitárias.

Conheça a Rádio Fala Ciadadão

Uma rádio de sampa, pouco conhecida até mesmo das mídia independentes, mas agora é nossa parceira também....

Monte sua rádio também......

CMI Tefé entrevista a rede [Aparelho]:-

Em Belém do Pará uma trupe tem saído de combi para realizar intervenções midiáticas em comunidades e espaços públicos, buscando despertar nas pessoas a liberdade, o uso ativo das mídias. Na combi aparelho de som, vídeo, telão, filmadora, máquina fotográfica, computador, microfones, etc... Os locais: Mercado Veropeso, um quilombo, e agora a UFPA. O nome, inspirado nas "Aparelhagens" de Belém, grandes e equipadas festas populares. Com ativistas oriundos de movimentos variados como o Mídia Tática de São Paulo e as rádios comunitárias de Belém, a rede está agora voltando suas intervenções para o meio universitário, com a idéia de formar um coletivo que coopere no nascimento da rádio Frequência Livre.

CMI Tefé: como nasceu a rede Aparelho?

Luis: surgiu da idéia de ocupação de praças e espaços públicos, na tentativa de juntar pessoas e grupos diferentes mas que congregavam das mesmas angústias sobre cultura, assim formamos a ideia e começamos com um cineclube...na primeira grande ação conseguimos ajuntar a galera do hiphop, tecnobrega e reggae. Grupos que não se suportam mas que precisam se fortalecer. O encontro foi muito interessante. O problema todo é o preconceito de um grupo com o outro...tipo quem é mais negro, mais paraence, mais cultural....triste!

Rádio comunitária X rádio pirata

De grande alcance — especialmente entre as populações de menor poder aquisitivo e de regiões distantes dos centros urbanos —, excelente prestador de serviço e formador de opinião, o rádio é um dos mais importantes meios de comunicação. Todos esses fatores positivos deveriam ser, pelo menos em tese, amplificados pelas rádios comunitárias. Em tese. Na verdade, a legislação brasileira para concessão de emissoras é envolta em polêmicas e muitas vezes leva casos relacionados à transmissão de emissoras não-comerciais à polícia.

E o que é uma rádio comunitária? "A idéia de rádio comunitária nasceu com o sentido de dar voz aos populares. Trata-se de uma pequena estação de rádio, que dá condições a determinada comunidade de ter um canal de comunicação inteiramente dedicado a ela, pelo qual seus membros vão divulgar suas idéias", explica o professor do curso de Rádio e TV do Centro Universitário Municipal de São Caetano (IMES) Valdir Boffetti. Segundo ele, sua principal característica é a participação efetiva da comunidade. "É diferente de uma rádio comercial local, por exemplo. Na comunitária as pessoas podem participar na produção da programação e não ficar na mera posição de ouvintes".

Assista o primeiro vídeo do CMI-Tefé: "I Festa da Xibé"

Opções para visualizar e baixar:

http://www.youtube.com/watch?v=DhbKXC2CBvQ

http://www.youtube.com/watch?v=EqbyMF-3XZ0

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/02/373723.shtml

http://guile1973.multiply.com/video (versões com maior qualidade)

Vídeo sobre a rádio livre Xibé, nascida em 27/10/2006 e sobre a sua primeira festa, realizada em 09/02/2007. A I Festa do Movimento Cultural de Tefé teve como objetivos abrir espaços para os movimentos culturais de juventude, a luta pela democratização da cultura e da comunicação e o protesto contra a apreensão dos equipamentos da rádio livre Filha da Muda, no Acre, ocorrida em 26/01/2007.

GRANDE OFICINA INTERNA E PARA NOVOS VOLUNTÁRIOS DA XIBÉ - É ABERTO, PARTICIPE!

Dias 23 (sexta), 24 (sábado), 26 (segunda) e 27 (terça) de fevereiro tem oficina para membros antigos e novos do coletivo CMI-Tefé e rádio Xibé. Partipe você também! Seja mídia!

Local: CEST-UEA (Estrada do Bexiga, s/n, Tefé - AM)

A oficina integra as atividades do Programa Mídia e Cidadania, uma parceria do CMI-Tefé com o CEST-UEA e o Instituto Mamirauá.

Dia 23 - 18h às 21h

Introdução à mídia livre:
- Filme "Uma Onda no Ar" e debate coletivo
- Filme "Hip-hop com dendê" e debate

Dia 24 - 14h às 20h

Oficina de rádio livre:
- Introdução geral
- Filme "Perdidos no dial" e debate
- Apresentação sobre a rádio Muda
- Filme "Deus e o Diabo nas Ondas do Ar" e debate
- Legalidade e repressão
- Filmes da rádio Filha da Muda, da Radiola e debate
- Apresentação sobre o CMI
- Publicação aberta

I Festa de arromba do Movimento Cultural de Tefé

Baixe as fotos da festa da Xibé que aconteceu dia 9/2 no GM3 (para baixar as fotos é preciso estar "logado" no site)

Filha da Muda anuncia show manifesto e recebe mais apoios

Editorial do CMI-Tefé no CMI-Brasil

O show manifesto "não morrerá a flor da palavra", em repúdio à apreensão dos equipamentos da rádio livre Filha da Muda ocorrida no dia 26 de janeiro, acontece nesta quinta, dia 8, às 17h no palco do DCE da Universidade Federal do Acre (UFAC). Estarão presentes as bandas Mamelucos, Nicles, Sofia, Los Porongas e Aéon.

Após receber a solidariedade do Conselho Universitário da UFAC, de rádios livres como a Zapote, do México, Radiola-DF, Freqüência Livre, Xibé, e das bandas de Rio Branco, a Filha da Muda recebeu o apoio do vereador Márcio Batista (PC do B), que na sessão do dia 06/02 da Câmara se pronunciou contra a apreensão e propôs entrar com uma ação no Ministério Público Federal para recuperar os equipamentos. O vereador disse ainda que no Congresso Nacional a deputada Perpétua Almeida também se pronunciou em defesa da rádio livre.

Cartaz da Festa dia 09 de fevereiro

Festa em apoio ao movimento de Mídia Democratica da Região Amazônica.
Objetivo> divulgar os movimentos culturais de juventude e arrecadar fundos para o projeto mídia e cidadania de democratização da mídia e da comunicação,desenvolvido pelo centro de mídia independente de Tefé.

Rádios livres do norte se mobilizam

EDITORIAL DO CMI-TEFÉ NO CMI-BRASIL
(veja o vídeo do ato em Rio Branco dia 2/2 - é só clicar em "ler mais")

Nesta sexta, 2 de fevereiro, as rádios Filha da Muda e Frequência Livre realizaram ações em Rio Branco (AC) e Belém (PA). Dia 9 a Xibé entra em ação em Tefé (AM). Faz uma semana que foram apreendidos, numa ação inconstitucional, os equipamentos da rádio Filha da Muda, que esta semana esteve realizando ações culminando no ato público realizado nesta sexta de manhã e de noite em frente à justiça federal. As ações em Belém e Tefé, que já vinham sendo preparadas como ações culturais e para arrecadar fundos, voltaram-se também à denúcia da apreensão e à solidariedade com a resistência acreana.

Em Belém, nesta sexta, a ação foi realizada pela rede [aparelho]:-, que faz intervenções em locais públicos com uma combi equipada com equipamentos de som, telão, filmadora, máquina fotográfica e microfones abertos ao público, que é convidado a se tornar produtor durante as intervenções. A ação desta sexta foi voltada ao público da Universidade Federal do Pará (UFPA), e teve entre outros objetivos o de levantar o debate sobre mídia livre e lançar o "Consórcio Frequência Livre", grupo que irá cooperar para a compra de um transmissor e formação da nova rádio livre. A idéia agora é repetir a ação todas as sextas feiras, para que "isso tome corpo (...) atraindo mais atenção pra essa discussão sobre midia livre que parece só rolar nas nossas cabeças".

Em Tefé acontece, no próximo dia 9, a I Festa do Movimento Cultural de Tefé. A rádio Xibé, que nasceu dia 27 de outubro e é gerida pelo coletivo do CMI-Tefé, realizou no ano passado oficinas de rádio livre em metade das escolas públicas da cidade. Agora pretende levantar fundos para equipamentos, manutenção, e viagens de voluntários para conhecer outros movimentos. Ao mesmo tempo, abrir espaços para os movimentos culturais de juventude e aproxima-los com a rádio livre e a discussão sobre mídia livre.

Rio Branco (AC): Chamada para o ato 2/2 | Fotos do ato | Matéria na Trama | Solidariedade da Radiola DF | Editorial apreensão ilegal | Sítio da Filha da Muda

POVOS GUERREIROS, NINGUÉM SEGURA!

Mensagem de repúdio da rádio Xibé à apreensão dos equipamentos da rádio Filha da Muda e anunciando uma festa de resistência.

A Amazônia está de luto. Nesta sexta dia 26 de janeiro de 2006, numa ação inconstitucional, certas autoridades de Rio Branco privaram nossos povos dos equipamentos da rádio Filha da Muda, 105,7FM. Assim avança o desmatamento da riqueza cultural dos povos do norte. Desmatamento de músicas, palavras, valores, idéias, sentimentos com raízes fincadas nessas terras e águas brasileiras, e abertas aos ventos do mundo. O lobbie da grande mídia mercadológica que destrói a comunicação para difundir mercadorias e zelar pelo poder dominante deu mais uma de suas cartadas. Mas os povos amazônicos gostam como poucos de dançar, rir, se expressar e ouvir, sentir, viver com o próximo! São povos orgulhosos de suas terras e águas e toda vida que brota bela! No dia 9 de fevereiro a cidade de Tefé estará em festa, com os movimentos culturais de juventude se reunindo na luta pela democratização da comunicação e da cultura, e em solidariedade com a resistência acreana! Povos guerreiros, ninguém segura!

Conselho Universitário da Federal do Acre Repudia Apreensão de Rádio Livre

Reprodução da nota divulgada pelo Conselho Universitário da Universidade Federal do Acre contra a apreensão dos equipamentos da rádio livre Filha da Muda realizada nesta sexta, 26/1, pela Polícia Federal com mandado expedido pelo juiz federal Alysson Maia Fontenele.

http://www.ufac.br/notarepudio.html
http://filhadamuda.radiolivre.org/

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Acre, órgão deliberativo máximo da instituição, pautado em uma trajetória institucional na qual sempre se deram debates no sentido do fortalecimento e defesa da Universidade pública, tendo como alguns elementos norteadores o pluralismo de idéias, o direito à livre expressão, princípio constitucional, vem a público repudiar a intervenção em seu espaço acadêmico ocorrido no dia 26 de janeiro de 2007, pela Polícia Federal, sob a determinação de um mandado judicial de busca e apreensão de equipamentos de uso exclusivo da Rádio Livre Filha da Muda, que opera na freqüência 105,7, com transmissor devidamente registrado pelo produtor junto à ANATEL. O mandado de segurança é um instrumento conquistado pela luta da sociedade civil organizada nos momentos de ditadura vividos nas últimas décadas, e hoje é usado, sob vários pretextos, contra a sociedade que o conquistou. É NOSSO DEVER NÃO NOS ESQUECERMOS JAMAIS DE QUE FOI PELA FALTA DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO QUE SE CONSTITUIU O AMBIENTE FAVORÁVEL AO GOLPE DE 1964. Esse mesmo instrumento conquistado pelo movimento democrático do Estado de Direito está, hoje, e neste caso, a serviço das forças reacionárias que não têm outro objetivo senão impedir as condições de acesso a informações livremente elaboradas pelos movimentos populares, como ocorre na Rádio Filha da Muda, meio de comunicação norteado pelo conceito de microfone livre para a manifestação de qualquer membro da sociedade. Corremos o risco de reviver o passado, calando politicamente os movimentos sociais em nome de razões meramente técnicas. O Estado, por força do poder do capital, opera garantindo direito às grandes corporações e impede, por determinação judicial, a liberdade de expressão das minorias, justamente aquelas que não têm acesso ao poder monopolista do grande capital. Cabe a pergunta: de fato essa rádio ameaçava à segurança dos sistemas de comunicação formalmente instituídos que se utilizam dessa modalidade de comunicação? Existe algum laudo técnico pericial devidamente capaz de demonstrar que a Rádio Livre Filha da Muda estivesse interferindo nos demais meios de comunicação? Sem essas respostas, só podemos deduzir que essa atitude é arbitrária e que só encontra justificativa num estado de opressão, medo e terror imposto pelos que detêm o poder aos que lutam pelas liberdades individuais e coletivas. O Conselho Universitário alerta que, sob o pressuposto de razões de ordem técnica, que precisam ser apuradas, retiram-se direitos duramente conquistados pelas lutas democráticas nas últimas décadas. Este Conselho repudia e se manifesta frontalmente contra essa decisão, apelando para a consciência de todos aqueles que defendem um estado democrático, verdadeiramente livre e socialmente justo.

Apreensão ilegal dos equipamentos da rádio Filha da Muda na UFAC

Editorial do CMI-Tefé no CMI-Brasil
(veja aqui o vídeo da apreensão ilegal - clique em "ler mais")

Nesta sexta, 26 de janeiro, a Rádio Livre Filha da Muda , localizada na Universidade Federal do Acre (UFAC), teve seus equipamentos apreendidos pela polícia federal. Os policiais chegaram à paisana e sem carros oficiais, tentando não chamar a atenção dos acadêmicos. Encontraram a rádio fechada, e abordaram programadores que chegavam sem se identificar, para conseguir acesso ao estúdio. Cerca de 30 estudantes, professores e membros da administração foram ao local para tentar evitar a apreensão, ou que fosse levado apenas o transmissor. A PF, que chegou a reunir 9 homens incluindo o delegado, acabou resolvendo levar todos os equipamentos: transmissor, mesa de som, compressor e computador. Ação ilegal, pois a Constituição no artigo V impede a privação da liberdade e de bens sem o devido processo legal.

Ongs agem na amazônia como serviço de inteligência dos EUA

O governo dos EUA tem uma organização chamada Interamerican Foundation, que tem página em português. Organização Interamericana que oferece doações a organizações não-governamentais e bases comunitárias na América Latina e Caribe. Podem entrar no site que vocês verão: tem gente ligada aos Rockefellers, à indústria de petróleo e assim por diante.

O general Eduardo dos Dias Villas Bôas, Comandante da Escola de Oficiais do Exército lembrou da declaração dada pela então a secretária de Estados dos EUA, Madeline Albright, em 1996, onde ela admite a crescente participação da CIA em atividade de inteligência ambiental. Isso aqui mostra como essa política ambiental vem de fora.

Fonte: texto extraído do jornal - Hora do Povo de 17 a 18 de Janeiro de 2007 - Número 2.534 ANO XVIII. Instuto Brasileiro de Comunicação Social - www.horadopovo.com.br

Tor: Um sistema anônimo de comunicação na Internet

(Uma analise feita pelos desenvolvedores)

O Tor é um conjunto de ferramentas para um amplo grupo de organizações e particulares que desejam aumentar a sua segurança na Internet. Usar o Tor pode ajudar a tornar anônima a navegação e publicação na Web, instant messaging, IRC, SSH, e outras aplicações que usem o protocolo TCP. O Tor também disponibiliza uma plataforma para os programadores de software, criarem novas aplicações com funções de anonimato, segurança e privacidade já incorporadas.

O Tor tambem pretende defender contra a análise de tráfego, uma forma de vigilância que ameaça o anonimato pessoal e a privacidade, a confidencialidade dos negócios e relacionamentos, e a segurança de estado. As comunicações são enviadas através de uma rede distribuída de servidores chamados onion routers, protegendo-nos de sites Web que constroem perfis com os nossos interesses, pequenos espiões que lêem os nossos dados ou registam que sites visitámos.

Rádio livre Xibé estréia esta semana um novo programa.

Nesta semana estréio um novo programa na rádio xibé, o Anarquista que vem com objetivo de debater problemas municipais e nacionais o programa também divulga noticias que estão nos sites do CMI Brasil e no da rádio Xibé.
Além das noticias, o programa também toca musicas de características criticas em vários estilos musicais como rock, hip hop etc.. E bandas novas, ou seja, realizando um trabalho de divulgação de grupos ainda não conhecidos.
O programa vai ter como apresentador o V de Vingança lendário anarquista dos quadrinhos que há pouco tempo chegou as telas do cinema.
Bandas 100%contra o sistema que rolam na programação!

Piazitos muertos, Helinho Rodriques, Daltony Nobrega, Redenção, Carne Moída,Punkadanimal,Napa Faísca,Simplismentege,Evasão,Banda kronicos,Banda Demoiselle,Colapso,Sapo Seco,Legião Urbana,Raul Seixas,Gabriel Pensador e muito outros....

Rádio livre Xibé da apoio a produção cultural regional.

Rádio livre Xibé da apoio a produção cultural regional.

A rádio Universitária livre Xibé que funciona na freqüência 106,7 FM vem dando apoio a grupos e cantores regionais.
Nesta semana foi à vez do grupo explosão do funk que teve como integrantes entrevistados o Mc Matio e o Mc Jardesom em participação especial no programa Anarquista que além da entrevista toco as faixas do cd do grupo.
Na entrevista o grupo falou sobre estilo, patrocínio, preconceito, ídolos e uma futura participação na programação na rádio já que o grupo pretende apresentar um programa de funk que segundo eles e deixado de lado pelas outras rádios da cidade.
Quando o reporte perguntava quanto ao estilo eles faram que por em quanto o grupo de funk tem suas musicas ligas a questão amorosas vividas pelos próprios integrantes, com relação a patrocínio o grupo relata que hoje há pessoas dando valor ao trabalho deles mais no inicio foi dificiul já que as pessoas não acreditavam no trabalho que o grupo iniciava.

O Misterioso Copyleft

A essa altura você já deve saber o que é Software Livre (se não sabe, que tal uma olhada no Cordel do Software Livre?). A idéia geral de Software Livre é bem próxima de Domínio Público: quem recebe o software tem direito de modificar, utilizar e redistribuir. Tanto que software de Domínio Público é considerado como Software Livre. Mas não o contrário.

Domínio Público

Não somente obras artísticas, mas também softwares, quando em domínio público, estão sem proteção de copyright. Segundo a Wikipedia: "Domínio público, no Direito da Propriedade Intelectual, é o conjunto de bens culturais, de tecnologia ou de informação - livros, artigos, músicas, invenções e outros - em relação aos quais não existem titulares de direitos econômicos de exclusividade. Tais bens são de livre uso de todos, eis que integrando a herança cultural da humanidade."

Por que agora é a hora de mudar para o Linux?

A alguns anos usar Linux era coisa apenas para Hackers, pessoas que gostam de trabalhar com computador, em outras palavras Linux era difícil de usar. Mas hoje o a fama de "difícil de usar" persiste no Linux devido ao seu passado. Porém é incrível ver como o Linux mudou em 10, 5 e até no último ano.

O principal motivo de ser uma boa idéia para mudar para Linux agora é o Vista. Restrições de licença, validade, falhas, as diferentes versões do vista ...

Alguns motivos para mudar para o Linux:

Estabilidade: O linux é como um tanque, foi feito para rodar sem parar. O linux é usado em roteadores, firewalls, web servers por esse motivo.

Software: Existem literamente milhares de aplicações para Linux.

Divulgar conteúdo