Porque uma Rádio Livre?

Primeiro de tudo, não confunda rádios piratas com rádios livres.

As rádios piratas (a Merkur, a Caroline e outras) nasceram no final da década de 50 na Inglaterra e eram financiadas por grandes grupos econômicos dos Estados Unidos interessados no mercado europeu; como a Ford, a Lever ou a American Tobacco. Levavam este nome porque transmitiam a partir de estações montadas em barcos estacionados fora das águas territoriais britânicas, como forma de burlar a tutela estatal.

As rádios livres (a Milano Internazionale e a Emmanuel de Ancona) nasceram na Itália na primavera de 1975 e, nesta ocasião, ainda não tinham uma atuação cultural, e eram construídas por técnicos eletrônicos aficcionados em rádio (como este que lhe fala) que se converteriam em suporte técnico quando as rádios livres explodissem,

Nossa razão é de que os aparelhos sejam utilizados pela população e não seriam apenas receptores, mas sim transceptores ( transmissor + receptor ), permitindo que esses, além de ouvir, também pudessem falar.

É nela que o clube de futebol amador do bairro convoca a população para o campeonato, os grupo de jovens convoca para realizar um evento, o presidente de bairro informa sobre um problema que está sendo solucionado, os artistas chamam pessoas para o festival de música e etc.

Grande parte das concessões de radiodifusão e teledifusão no Brasil encontram-se sob o domínio de grupos políticos e econômicos de elite, que a partir de 1964 buscam por todos os meios coibir e dificultar a emissão de novas concessões, principalmente através de sua influência junto ao estado. Esta tendência garante a concentração e hegemonia sobre os meios de comunicação no Brasil - o monopólio.

As rádios livres existem em todo o mundo. Nos EUA, por exemplo, elas são cerca de 6.000 emissoras e operam em 12 freqüências! Até na Colômbia elas já são uma realidade. Em lugar nenhum do planeta foi constatada alguma interferência causada por essas emissoras.

Se formos avaliar os princípios da radiodifusão pirata, concluiremos que as rádios COMERCIAIS é que são as verdadeira piratas e por isso insisto : "PIRATAS SÃO ELES. NÓS NÃO ESTAMOS ATRÁS DO OURO.". Se você ainda acha que um sistema de radiodifusão livre é utópico, peço-lhe que, pelo menos, medite sobre as razões por que seria utópico.

Não precisamos pagar para falar com outras pessoas, isso é uma idéia capitalista e precisa ser banida.

Queremos a democratização da comunicação, seja quaisquer meios utilizados para realizar a troca de informação.