Comunicação ribeirinha

Comunicação ribeirinha
Na Amazônia as informações chegam nas mas variadas formas. Nos barcos depois de dias de viagens até em mensagens instantâneas. E isso já é possível, o caboclo não precisa ficar horas a fio no meio do rio, esperando o barco passar e pegar a informação por meio de encomenda (um pacote contendo cartas, bilhetes, dinheiro e mercadorias da cidade) e às vezes é apenas um recado de boca gritado lá da beira do barco:

- “Seu Zé mandou dizer que só vai mandar encomenda na outra semana”. Coisas desses tipo, que a internet não consegue retirar do dia a dia do cotidiano ribeirinho, mas os meios de comunicação podem sofrer transformações em diversas escalas e a cultura dos recados não deixará de existir pelo menos aqui nesse universo ribeirinho. A comunicação popular é a essência da cultura de um povo. As diferenças territoriais em nada nos impede de absorver formas de comunicação mais rápida como a telefonia celular, e-mails, etc,. Só precisamos saber se o que foi desenhado, falado, escrito, enviado foi entendido pelo receptor. Transformando isso tudo em comunicação.

Comunicar é isso!!