Carnaval da Xibé: movimentos unidos em nova transmissão diária

Depois de três anos, a rádio livre Xibé (Tefé-AM) voltou a ter programação diária. Dia 11 a reunião do seu coletivo contou com a participação de 14 voluntários/as do Centro de Mídia Independente de Tefé (CMI-Tefé), do Diretório Regional dos Estudantes (DRE), do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (SINTEAM), da Organização dos Povos da Terra Indígena Barreira da Missão (OPOTIBAM), da Rede Ribeirinha de Comunicação facilitada pelo Instituto Mamirauá (IDSM), e do grupo Explosão do Funk, e decidiu unir os mais variados movimentos para participar da rádio em programação diária e na gestão coletiva e horizontal. Pretende-se convidar não apenas os movimentos, mas também educadores/as, estudantes e cidadãs/ãos de todos os tipos, especialmente aqueles/as que sofrem do silêncio imposto pelos mais variados processos de opressão, discriminação e exploração. Neste sábado começou o Carnaval da Xibé, com um ajuri para instalar os equipamentos na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), desta vez no espaço recentemente conquistado através da mobilização dos estudantes para ser a sala do DRE. A transmissão começou com programas abertos e coletivos, e apenas no outro sábado será a primeira reunião para definir uma grade de horários.

Quando a rádio nasceu em 27/10/2006, ocupou sem perder a cordialidade uma sala de aula da UEA de Tefé, ganhando logo a simpatia de muitos na comunidade dentro e fora dos portões acadêmicos. Chegou a ter uma programação diária livre com cerca de 20 programas, e reuniões passando de 30 pessoas. Ao mesmo tempo, inúmeras oficinas com vídeos e palestras começaram a ser realizadas na maioria das escolas de Tefé, e nas ações comunitárias de extensão da UEA. Funcionou diariamente até o começo das aulas em março de 2007, quando a sala foi requisitada devido ao aumento de alunos matriculados. A rádio passou a funcionar apenas nos fins de semana até junho: a antena foi roubada durante a transmissão da Semana do Meio Ambiente da UEA. Começou então a fase de transmissões itinerantes, primeiro com a antena emprestada à Rede Ribeirinha de Comunicação e depois com antena própria. As oficinas de rádio livre com transmissão ao vivo e "flores da palavra" (em que a rádio soma a sua intervenção com ações de outros grupos) vêm ocorrendo em bairros, comunidades, aldeias, eventos e assembléias nos municípios de Tefé, Alvarães, Uarini, Maraã, Coari, e até mesmo palestras e cursos em outros estados através de eventos científicos, libertários e até mesmo por meio do Projeto Rondom.

A UEA apóia essas ações através do projeto de pesquisa, ensino e extensão "Laboratório de Comunicação Livre", que permite interligá-las à reflexão sobre cultura, democracia e anti-colonialismo em sala de aula, a conquista de espaços e equipamentos da universidade e bolsas de iniciação científica para que voluntários e estudantes aprofundem o estudo dos processos de segregação e de democratização das comunicações e da ciência em Tefé. Já realizou mini-cursos abertos de Rádio Comunitária, Filme Documentário, Software Livre e outros, com voluntários-professores visitantes. Em 2009 o projeto ganhou o segundo lugar do Prêmio FINEP de Inovação da Região Norte, na categoria Tecnologia Social. Isto ajudou, ao lado da fase atual de fortalecimento do movimento estudantil, a criar o momento favorável para a volta da programação diária a todo vapor. Os movimentos que estão se unindo na Xibé pretendem pedir concessão de rádio comunitária para garantir ao menos um bastião seguro de radical liberdade de expressão na cidade, e há idéias de se adquirir mais transmissores para começar novas rádios livres, itinerantes ou não, e até uma TV Livre.

História fotográfica da Xibé: Raízes da Xibé: 2004 | 2005 | Nascimento da Xibé: 2006 parte 1 | 2006 parte 2 | Xibé mambembe 2007 parte 1 | 2007 parte 2 | 2007 parte 3 | 2008 parte 1 | 2008 parte 2 | 2008 parte 3 | Xibé na Flor do Rock 2009 parte 1 | 2009 parte 2 | 2009 parte 3 | I Festa do Movimento Cultural da Xibé (2007)

Vídeos e áudios: Chuva de Mídia Independente | Primeiras Entrevistas da Xibé | I Festa da Xibé | Camisetas do Cmi-Tefé
| Jornal academico: entrevistas e debates com Francinete Chota | Explosão do Funk na Internet

Artigos: A universidade e a necessidade de rádios livres | Transformação e Reprodução Social na Experiência do Centro de Mídia
Independente de Tefé
| Disseminação da comunicação através de uma rádio comunitária na
comunidade de Porto Braga da Reserva de Desenvolvimento Sustentável
Mamirauá
| O Centro de Mídia Independente de Tefé: mídias livres na educação e na
organização coletiva
| Rádio na escola: uma proposta pedagógica para a democracia
| Um laboratório de comunicação livre no Médio Solimões
| A Flor Indígena: Artes de Fazer e Mídias Livres na Barreira da Missão | A fronteira virtuosa: universidade, mídias livres e diálogo intercultural

Editoriais antigos: Rádio Xibé ocupa Câmara dos Vereadores de Tefé e Anatel é contactada | Rádios livres do norte se mobilizam | Flor dos Movimentos Rurais (Tefé 2006) | Flor Indígena (Tefé 2007) |
Flor da Vila Pescoço (Tefé 2008) | Flor das mulheres indígenas (Tefé 2008) | Flor da Palavra e Rock na Rua (Tefé 2009)