Blog de guile

Livro sobre o CMI-Brasil retrata parte da história do CMI-Tefé

Acaba de ser publicado e disponibilizado o livro "A rebeldia por trás das lentes: o Centro de Mídia Independente no Brasil", de Carlos André dos Santos (Cazé), versão revisada da dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal de Santa Catarina em 2010. O autor foi voluntário do CMI-Brasil de 2004 a 2012. Assim como o jornalismo independente do CMI é feito de dentro ou junto aos movimentos sociais, como bem mostrado no documentário "Brad Will: uma noite mais nas barricadas", a pesquisa do Cazé é um olhar construído a partir de dentro, em diálogo com parte dos demais voluntários/as. É feita também de recombinações e apropriações de tradições da academia, contracultura, anarquismo clássico, do software livre, entre outras.

Rádio Xibé na Assembleia da OPOTIBAM dia 20/12

No dia 20/12/2013 a Xibé fez a transmissão ao vivo da Assembleia da Organizaçao dos Povos Indígenas da Terra Indígena Barreira da Missão (OPOTIBAM). Entre 2008 e 2009 foram gravados inúmeros relatos de história oral das quatro aldeias da Barreira. O material está sendo transcrito e a ideia de se publicar um livro foi retomada. O CMI já realizou 9 oficinas, mini-cursos e transmissões ao vivo de eventos na Barreira da Missão. No final de 2012 a rádio Xibé funcionou durante 4 meses na aldeia Barreira da Missão do Meio, sendo então totalmente produzida e gerida pela comunidade.

Editoriais antigos: Renasce o movimento de mulheres indígenas na Flor da Palavra de Tefé - AM | Nova Jornada Flor da Palavra começa em Assembléia indígena de Tefé

Mais de 5 mil protestam nas ruas de Tefé

Nepotismo, demissões, descaso e desrepeito aos direitos cidadãos foram alguns dos motivos que levaram a população de Tefé, no Amazonas, para a rua. A Marcha Contra a Corrupção, organizada pelo Movimento Acorda Tefé, aconteceu na sexta feira, 6/12, e reuniu entre 5 e 6 mil pessoas que soltaram o grito de ordem: CHEGA!

A primeira manifestação do Movimento Acorda Tefé aconteceu em 25/6/2013 e reuniu 3 mil e 500 pessoas. O Acorda Tefé tem procurado se organizar através de reuniões em praças públicas, abertas e sem líderes. Além do protesto nas ruas, faz parte dos objetivos do Movimento realizar assembleias populares nos bairros da cidade e organizar o "Fórum Popular de Tefé", onde a população da cidade possa debater as políticas públicas e se preparar para exigir a sua participação direta na administração municipal.

5 rádios realizam oficina de rádio livre no bairro Colônia Ventura

De 11 a 13 de julho, comunicadores populares das comunidades de várias partes do Médio Solimões realizaram, junto com o CMI-Tefé e o Instituto Mamirauá, uma oficina de rádio livre no Centro Irmão Falco no bairro Colônia Ventura de Tefé (AM). Entre os participantes estavam os voluntários das três rádios poste existentes nas comunidades Porto Braga (Uarini), Boca do Mamirauá (Alvarães) e na cidade de Jutaí, além das rádios Xibé e Voz da Ilha de Tefé. A atividade integrou o V Encontro de Comunicadores Populares, organizado pelo Instituto Mamirauá, e que contou também com produção cinematográfica e teatro.

Manifestantes refundam Fórum Popular de Tefé dia 11/7, com assembleia e nova manifestação

No dia 25/06 3 mil manifestante saíram às ruas de Tefé (AM), levando inúmeros cartazes, cada um com sua reivindicação e sob o lema "Acorda Tefé". A diversidade de pensamentos e revoltas é uma marca das recentes manifestações, e isso acontece também em Tefé. As reuniões para a organização das manifestações estão sendo abertas, sem líderes, horizontais e contrárias ao aparelhamento por partidos políticos.

Dia 11/07 ocorrerá a Primeira Assembleia Popular e, logo após, a II manifestação Acorda Tefé. O dia estará também marcando a refundação do Fórum Popular de Tefé, de modo a tornar permanente a organização popular através de assembleias. Antes disso, reuniões públicas estarão acontecendo em praças de diversos bairros para tratar do problema da falta de energia na cidade, expandir os debates e mobilizar a população.

500 impedem ação da PM e ocupam instituto para barrar militarização da Universidade de São Paulo

No dia 27/10/2011 a PM abordou três estudantes na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) e agiu de forma truculenta, acusando-os de consumo de maconha. A ação foi o estopim para a mobilização de 500 estudantes para barrar a militarização da USP e combater a gestão duvidosa do reitor João Grandino Rodas, investigado por corrupção pelo Ministério Público.

15 de outubro - Unidos por uma mudança global

951 cidades - 82 países no dia 15 de outubro - Unidos por uma mudança global

No dia 15 de outubro gente de todo o mundo tomará as ruas e praças. Da América à Asia, da África à Europa, as pessoas estão se levantando para reclamar seus direitos e pedir uma autêntica democracia. Agora chegou o momento de nos unirmos em um protesto mundial não-violento.

Os poderes estabelecidos atuam em beneficio de uns poucos, ignorando a vontade da grande maioria sem que se importem do custo humano ou ecológico que tenhamos que pagar. Esta intolerável situação deve terminar.

Unidos em uma só voz, faremos saber aos políticos, e as elites financeiras a quem eles servem, que agora somos nós, as pessoas, quem decidimos nosso futuro. Não somos mercadorias nas mãos de políticos e banqueiros que não nos representam.

No 15 de outubro nos encontraremos nas ruas para botar em ação a mudança global que queremos. Nos manifestaremos pacificamente, debateremos e nos organizaremos até o conseguir.

Ouvidoria da EBC admite que Agência Brasil reproduziu "mito da interferência", mas cala sobre rádios livres

No dia 4 de outubro o CMI denunciou a Agência Brasil por veicular sem aspas e no final de uma notícia sobre a repressão a rádios livres e comunitárias a mentira de que elas são as responsáveis por interferências em serviços como aviação e bombeiros. A mentira foi criada pelas empresas que querem manter o monopólio dos meios de comunicação e fazem o lobbie pela repressão, sendo reproduzida pela ANATEL, sua fantoche. Após receber inúmeras reclamações a notícia foi "corrigida" e a Ouvidoria da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), da qual a Agência Brasil faz parte, reconheceu o "erro" em sua coluna, num da qual destacamos as conclusões finais:

Petição Pública em favor das comunidades indígenas do baixo Teles Pires Mato Grosso/ Para atingidos por 3 hidrelétricas.

Prezados segue o endereço referente ao Abaixo-assinado "Manifesto dos Povos Indígenas sobre os Aproveitamentos Hidrelétricos nos rios Teles Pires, São Manoel e Foz do rio Apiacás, direcionado para: o Presidente da República Federativa do Brasil; FUNAI; MPF; MPE; Ministério de Minas e Energia;Ministério da Justiça.

http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N14647

O impacto socioambiental ocorrera entre os Estados do Para e Mato Grosso, região de patrimônio natural de rara beleza e de incrível diversidade de fauna e flora, um dos últimos lugares da Amazônia de terra firme que abriga florestas de mogno e o raro macaco aranha de cara branca. Foi através dos índios da região que recentemente o mundo científico conheceu o papagaio careca.

A conservação da região é mérito dos povos Kaiabi, Munduruku e Apiaká, nela esta toda a memória e cosmologia das comunidades.

Atos contra o coronelismo eletrônico e as remoções de pessoas e vozes dia 28/9

Pegue sua panela, leve um lenço para fazer de mordaça, faça o seu cartaz, leve seu zine ou performance, ou apenas vá e grite! Tome a palavra!

As pulgas convidam para dois atos na quarta feira dia 28/09/2011. Às 12h um panelaço artístico no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, que depois deve se dirigir até a ANATEL do Rio de Janeiro. Às 21h outro ato no show de jazz que ocorre ao lado do Instituto.

Em repúdio ao roubo do transmissor coletivo da rádio Pulga (22/09), a tentativa de apreensão da rádio Interferência (20/09) e da rádio Muda (15/09). Em apoio ao artigo V da Constituição e às 60 rádios fechadas em duas semanas a mando do CORONELISMO ELETRÔNICO - empresários e políticos - e o seu sistema ilegal de concessões que amarra as rádios e TVs ao apadrinhamento político e ao tradicional monopólio das corporações de mídia que silencia os povos do Brasil. CONTRA AS REMOÇÕES e a CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS!

PULGA LIBRE!!! ANATEL faz invasão ilegal e PF rouba transmissor

No dia 22 de Setembro, por volta de meio dia, agentes da ANATEL à paisana invadiram, sem mandado, a Rádio Pulga no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, no Largo São Francisco, em mais um ataque inconstitucional (a lei que autorizava a ANATEL a fazer busca e apreensão dos equipamentos foi considerada inconstitucional pelo STF) ao artigo 5 da Constituição e à democracia no Brasil. Diante de mais de 50 estudantes que se juntaram em frente à rádio, a ANATEL chamou os Piratas Federais para realizar o roubo à mão armada do
transmissor, sem ordem judicial e com o equipamento desligado, o que não constitui flagrante.

A rádio Pulga existe há mais de 20 anos, sendo uma das rádios livres pioneiras na luta pela liberdade de expressão no Brasil. Durante todos esses anos vem garantindo o acesso livre, gratuíto e sem censura à produção radiofônica, à criatividade artística, ao debate democrático e à integração entre universidade e a população do centro do Rio de Janeiro, ajudando a democratizar a cidade e a universidade.

Participe do debate sobre o sucateamento dos serviços publicos no Brasil, no CETAM, dia 27/09/2011 às 19h30

A Agenda Positiva de Tefé e Comitê Regional do Conselho Estadual da Reserva da Biosfera da Amazônia Central estará promovendo no próximo dia 27 de setembro (terça-feira) a partir das 19h30 no auditório do CETAM, um debate sobre o sucateamento dos serviços publicos no Brasil. Você que não está satisfeito com os serviços de saúde, a segurança pública, a educação, o saneamento básico, a energia elétrica, a falta de cuidados com o meio ambiente, e outros serviços públicos venha e participe. Será um bom momento para entender o porquê dessa situação e buscarmos formas de mobilização para cobrarmos nossos direitos.

Papi deixa estudantes da UFAM na mão

O ano de 2011 marcou a chegada da UFAM a Tefé, através dos cursos à distância de Artes Plásticas e Ciências Agrárias. No acordo com as prefeituras municipais, estas ficaram de propiciar a internet aos pólos, enquanto a UFAM entrou com os cursos e demais equipamentos. Todas as prefeituras envolvidas já propiciaram a internet, menos a prefeitura de Tefé. Os acadêmicos do pólo de Tefé ficam mais de uma hora para postar seus trabalhos, e não conseguem baixar vídeos e outros materiais necessários ao curso. Por isso o curso está agora paralisado, até que o prefeito resolva cumprir seus compromissos.

Ação global: solidariedade com o município autônomo de San Juan Copala, Oaxaca, México dias 7, 8 e 9/5

Muitos ativistas e leitores que acompanham as publicações do CMI Brasil certamente já ouviram falar de uma intensa rebelião mexicana que veio a se tornar conhecida como a "Comuna de Oaxaca". Oaxaca é, junto com Chiapas e Guerrero, um dos estados mais pobres do México, e concentra, com esses e outros estados do sul do país, a maior parte da população indígena mexicana. Em 2006, após a iniciativa do movimento sindical dos professores de Oaxaca, este estado protagonizou uma das mais ousadas insurreições não armadas que se tem notícia, formando a Assembléia Popular dos Povos de Oaxaxa (APPO), declarando a desaparição dos poderes instituídos em Oaxaca. O movimento foi objeto de uma brutal repressão, tanto por parte do governador Ulises Ruiz quanto por parte do presidente Felipe Calderón, o que fez de Oaxaca uma das referências mais emblemáticas e dramáticas nas discussões dos recentes fóruns de direitos humanos.

Mobilização contra a Veja e em defesa dos povos indígenas

ABA avalia se irá processar a Veja por ataques baixos contra povos indígenas e antropólogos/as

MDUEA - A UNIVERSIDADE: PERSPECTIVAS DE UM PROJETO SOCIAL, POLÍTICO E ÉTICO

Movimento em Defesa da Universidade do Estado do Amazonas

O presente texto apresenta um movimento reflexivo sobre a universidade. Procura interpretá-la como instituição social e compreender sua responsabilidade ética, política e científica que se opõe ao modelo de justificação da exploração. O modelo aqui defendido tem como principio a autonomia intelectual, científica, política, financeira e administrativa da universidade desenhada como uma instituição pública que pertence a sociedade.

1 A Universidade como instituição social

A universidade é uma instituição social, como tal exprime a estrutura e o modo de funcionamento da sociedade. A universidade pública sempre foi uma instituição social, uma ação social, uma prática social fundada no reconhecimento público de sua autonomia perante as outras instituições.

Reabre no México a rádio Nnandia, que em novembro de 2007 enviou mensagem aos povos indígenas do Solimões

Após um ano e meio de ter sido fechada pela "tropa de choque do Partido Revolucionário Institucional (PRI)", a rádio Nnandia voltou a funcionar no dia 28 de fevereiro de 2008. Localizada no município indígena mazateco Mazatlán Villa de Flores, Oaxaca, México, a rádio foi concebida em 2002 durante a execução de um projeto comunitário de construção de uma escola de ensino médio indígena. A idéia era ter um veículo onde as/os alunas/os pudessem aplicar sua aprendizagem e difundí-la entre as comunidades. Em 2003 a rádio já estava no ar, e as comunidades logo começaram a lhe conferir novos usos, como enviar recados e pedir músicas.

Pesquisadora da Unicamp ministrará mini-curso na UEA sobre rádios livres e comunitárias

Após oferecer uma palestra sobre legislação de rádio comunitária em oficina do CMI-Tefé realizada sábado passado, dia 23/02, na Barreira da Missão, a doutoranda da Unicamp Cristiane Dias Andriotti oferecerá um mini-curso aberto à população na UEA de Tefé nos dias 11, 12 e 13 de março das 19h às 22h. Com o título "Rádios Livres e Comunitárias: História, Legislação e Perspectivas", o mini-curso abordará o arcaísmo de uma legislação que garante monopólios sobre o rádio e a TV num contexto em que avanços democráticos e tecnológicos garantem cada vez mais a possibilidade de amplo acesso ao papel de emissor em outros meios de comunicação.

Divulgar conteúdo