Comunidade Indígena Barreira da Missões e vizinho chamado BrasPalma&Malásia

Aceitar uma empresa de extração de óleo bruto de dendê encabeçado pela empresa criada esse ano, a BrasPalma no qual rebeceu financiamento pesado de empresários da malásia, pode ameaçar a integridade física e cultural da Barreira da Missões, a qual fica alguns kilometros e que utiliza uma estrada ao lado da comunidade indígena. Nos faz pensa que é uma forma de aceitar a continuação ou uma nova modalidade de colonialismo capitalista que ameaça devastar importantes bens naturais e humanos daquele localidade. Demarcar as terras indígenas da Barreira é fazer justiça histórica, é evitar o acirramento dos já existentes conflitos com redução das terras, e o surgimento de novos conflitos, é substituir a insegurança local, que vêm sendo submetidos à violência da fome e destruição dos seus recursos naturais e humanos, pela segurança cultural e política destes povos indígenas, uma vez que já foram explusos de suas terras, esse lugar sendo agora sua segunda mãe. Demarcar Territórios é uma forma coerente de celebrar os vinte anos da Constituição de 1988 e os 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, justamente quando, no plano internacional, foi finalmente aprovada após trinta anos de discussão, uma Declaração dos Povos Indígenas.

Contextualizando: Pipira

Isso pode render Muito

Olha apesar de as pessoas não se interessar pelo fato, mas daqui uns anos vão querer morar na comunidade para ter direito inexistentes.. ficamos de olho...